Menu

O trabalho da Suécia por uma recuperação verde da crise provocada pela pandemia de COVID-19

07 set 2020

A pandemia de COVID-19 atingiu gravemente o mundo, causando dor e sofrimento a milhões de pessoas. Mas ela poderia ter consequências positivas - para o meio ambiente e o clima - e, portanto, para as pessoas? “A chance de tornar a economia mundial mais verde está em nossas mãos”, diz Mattias Frumerie, Chefe da Delegação da Suécia na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

Os governos de todo o mundo alocaram US $ 10 bilhões para a recuperação da crise provocada pela pandemia de COVID-19, de acordo com o Fundo Monetário Internacional.

“Uma recuperação verde significa garantir que esse dinheiro seja investido da forma mais favorável ao clima possível. Temos a chance de acelerar a implementação do Acordo de Paris e da Agenda 2030”.

Estas são as palavras de Mattias Frumerie, Chefe da Delegação da Suécia na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

“Mas também existe um risco”, avisa. “Se não canalizarmos esses investimentos maciços em medidas verdes e continuarmos investindo em empregos e tecnologias fósseis, podemos acabar saindo da pandemia COVID-19 em um estado ainda pior em termos de crise climática”.

Mattias diz que os próximos meses dirão até que ponto os países serão capazes de intensificar a implementação do Acordo de Paris e da Agenda 2030.

“Para os governos, as medidas orçamentárias e fiscais estão no centro da recuperação. Os países precisam integrar a ação climática em seus orçamentos nacionais e processos de planejamento. Mas também há espaço para o desenvolvimento de estruturas regulatórias para facilitar a transição”.

Uma série de iniciativas foram lançadas na Cúpula de Ação Climática da ONU em 2019. “Vale a pena acompanhá-las”, diz Mattias Frumerie.

“Também é encorajador ver o compromisso do setor privado, tanto de empresas individuais quanto de setores inteiros. E, é claro, damos todo o nosso apoio à equipe do Secretário-Geral da ONU para garantir que todos cumpramos nossos compromissos”.

“Não devemos esquecer que muitas das políticas necessárias para uma transição verde já haviam sido desenvolvidas antes que a pandemia se instalasse”.

Internacionalmente, há diversas políticas suecas que poderiam ser aproveitadas. O imposto sueco sobre o carbono, por exemplo, introduzido em 1991, continua a ser a pedra angular dos instrumentos econômicos que tratam das emissões de dióxido de carbono de combustíveis fósseis em setores fora do esquema de comércio de emissões da União Europeia.

“De uma perspectiva sueca, ficamos felizes em ver quão rapidamente os conceitos de uma recuperação verde e de “reconstruir melhor e mais verde” ganharam força nos últimos dois meses. Os líderes da UE deram um sinal claro de que o Acordo Verde da UE e outras medidas verdes devem fazer parte do plano de recuperação para a União”.

Embora muitos países, organizações e empresas tenham declarado suas ambições de recuperação verde, a ação precisa ser acelerada.

“A iniciativa japonesa de lançar uma plataforma virtual é, portanto, muito bem-vinda a este respeito. Isso dará aos países uma maneira fácil de compartilhar suas melhores práticas; nós teremos o prazer de compartilhar exemplos suecos lá”, afirma Mattias.

A Suécia também está trabalhando com seus vizinhos nórdicos para apoiar os esforços para reconstruir melhor e mais verde nos países em desenvolvimento e apoiando a Presidência da COP26 pelo Reino Unido no próximo ano, destacando como uma recuperação mais verde pode ajudar a acelerar a ação climática global.

Uma recuperação verde pode significar, em última análise, uma recuperação saudável da crise de saúde global da pandemia de COVID-19. “O que é bom para a saúde do planeta geralmente é bom para a saúde das pessoas também”, diz Mattias.

Ele fornece dois exemplos: “sistemas alimentares sustentáveis podem, ao mesmo tempo, contribuir para melhorar a saúde e limitar os impactos negativos da indústria de alimentos no clima e no meio ambiente. Da mesma forma, proteger a biodiversidade cria ecossistemas mais resilientes, o que pode ser crucial na prevenção de futuras pandemias”.

Individualmente, as pessoas também têm um papel a desempenhar.

“Cada um de nós pode somar sua voz ao apelo por uma recuperação verde e saudável”, diz Mattias.“A dor e o sofrimento causados pela pandemia nos obrigaram a repensar nossa maneira de trabalhar e de viver. Aqueles de nós que podem se dar ao luxo de escolher como vivemos e trabalhamos têm a chance de contribuir para a transição verde. Como comunidade global, sairemos desta crise mais fortes e resistentes”.

Originalmente publicado em www.swemfa.se

Última atualização 07 set 2020, 11.05