Menu

Discurso do Primeiro Ministro Stefan Löfven no Debate Geral da 75ª Sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas

26 set 2020

No sábado, 26/09, o Primeiro Ministro da Suécia Stefan Löfven discursou na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Em sua declaração, Löfven enfocou na importância de trabalharmos juntos na solidariedade internacional para apoiar a ONU e combater conjuntamente a pandemia de COVID-19 e a crise climática. Ele também enfatizou que devemos aproveitar esta oportunidade para reconstruir sociedades mais fortes, mais verdes e mais iguais.

Excelências,

Estamos celebrando o 75º aniversário das Nações Unidas em meio a uma pandemia global - uma pandemia que colocou uma enorme pressão sobre nossas sociedades, comunidades e famílias. Gostaria de expressar minhas mais profundas condolências pelas vidas perdidas.

Tempos como este testam a resiliência de nossas sociedades e de nossa cooperação internacional. Mais do que nunca, precisamos trabalhar juntos e solidários.

Neste espírito, a Suécia e o Qatar co-presidiram as negociações sobre a “Declaração sobre a comemoração do 75º aniversário das Nações Unidas”, que foi adotada a 21/09. Os Estados-Membros enviaram uma forte mensagem de apoio a uma ordem internacional baseada em regras e ao multilateralismo. Todos nós nos comprometemos a fortalecer a cooperação internacional, com uma ONU moderna, inovadora e inclusiva em seu coração.

Temos agora a rara oportunidade de construir sociedades melhores - sociedades que são mais resilientes. Temos a oportunidade de enfrentar conjuntamente os desafios compartilhados:

- a pandemia,
- a crise climática,
- aumento das desigualdades,
- violações do direito internacional
- e ameaças à paz internacional.

Para criar, como o Secretário-Geral Guterres pediu em sua recente Conferência Mandela, um novo contrato social e um novo acordo global.

Excelências,

A Suécia apoia totalmente a liderança da ONU na resposta global contra a COVID-19 e reconhece o papel crucial da Organização Mundial da Saúde.

Até agora, a Suécia contribuiu com mais de 170 milhões de dólares para a resposta global. Juntamente com vários líderes mundiais, expressei meu compromisso em garantir o acesso equitativo e global às futuras vacinas contra a COVID-19. Ninguém está seguro até que todos estejam seguros. Garantir o acesso às vacinas é um desafio global que requer cooperação e solidariedade internacional.

Excelências,

A mudança climática é um dos nossos problemas mais urgentes. Em todo o mundo, jovens e idosos marcharam juntos nas ruas para exigir que tomadores de decisão como nós ajam de acordo com as recomendações científicas. Devemos remodelar nossas sociedades e reduzir as emissões. A Suécia está se esforçando para ser a primeira nação de bem-estar livre de combustíveis fósseis, mas aceita todos os competidores que queriam disputar o mesmo objetivo.

Continuaremos a trabalhar com o setor industrial para alcançar emissões zero, especialmente dentro do “Grupo de Liderança para a Transição da Indústria” que lançamos com a Índia na Cúpula do Clima do ano passado. Apelamos a contribuições mais ambiciosas, determinadas a nível nacional, tendo como base o Acordo de Paris. Trabalharemos por um resultado ambicioso na COP26 em Glasgow, na Escócia.

Excelências,

Ao comemorarmos o 75º aniversário das Nações Unidas, precisamos fortalecer nossa determinação para garantir que ninguém seja deixado para trás. Garantir a participação igual de todos os indivíduos, independentemente de seu gênero e orientação sexual, é essencial para a concretização da Agenda 2030.

A atual pandemia está exacerbando a discriminação e desigualdade existentes e o risco de violência sexual e de gênero. Ela também está tendo um impacto desproporcional no acesso de mulheres e meninas a serviços essenciais de saúde. O financiamento robusto da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos deve ser uma prioridade.

O 25º aniversário da histórica “Declaração e Plataforma de Ação de Pequim” oferece uma oportunidade de intensificar nossos esforços pela igualdade de gênero.

A Suécia está pronta para assumir um papel de liderança na “Coalizão de Ação Global sobre Justiça e Direitos Econômicos” da ONU Mulheres. Estou muito feliz em ver que outros se juntaram à Suécia na busca por uma política externa feminista.

Excelências,

A pandemia exerce enorme pressão sobre a capacidade de funcionamento das instituições democráticas e tem graves consequências para os direitos humanos. Muitos líderes e governos estão usando isso como pretexto em suas tentativas de silenciar a oposição, a sociedade civil e os defensores dos direitos humanos.

A Suécia continuará a promover a iniciativa Juntos pela Democracia, que visa fortalecer o respeito pelos princípios e instituições democráticas pela sociedade civil e pelo direito internacional. Também apoiamos a “Chamada à Ação pelos Direitos Humanos” do Secretário-Geral.

Excelências,

Milhões de pessoas em todo o mundo perderam seus empregos e meios de subsistência por causa da pandemia. O diálogo social no local de trabalho pode ajudar a mitigar o impacto da pandemia e formar soluções. Precisamos de uma transição sustentável no mercado de trabalho global, uma questão em que trabalhei de perto com o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, quando co-editamos o relatório da Organização Internacional do Trabalho sobre o futuro do trabalho. A Suécia convida mais países a aderir à parceria Global Deal para o Trabalho Decente e o Crescimento Inclusivo.

Também vimos barreiras comerciais serem introduzidas durante a pandemia. O comércio livre, justo e sustentável é fundamental para criar novos empregos e aumentar a prosperidade. A Organização Mundial do Comércio tem um papel essencial na defesa de um sistema de comércio internacional baseado em regras.

Em todo o mundo, um número recorde de pessoas precisa de ajuda humanitária para sobreviver. O conflito prolongado no Iêmen resultou na maior crise humanitária do mundo. Exorto os doadores a intensificarem seu apoio à resposta humanitária. Apoiamos os esforços de paz da ONU e exortamos as partes a concordar imediatamente com um cessar-fogo, negociações políticas inclusivas e implementação contínua dos acordos de Estocolmo e Riade.

Estendemos nossa solidariedade e apoio ao povo libanês após a devastadora explosão em Beirute.

Excelências,

A pandemia é uma ameaça à paz e segurança internacionais. A Suécia e a União Europeia apoiam fortemente a implementação do apelo do Secretário-Geral a um cessar-fogo global. O Conselho de Segurança da ONU tem uma responsabilidade enorme. Para ter sucesso em sua tarefa de defender a paz e a segurança internacionais, ele deve ser reformado para enfrentar com eficácia os desafios atuais e futuros.

A luta contra a impunidade para crimes internacionais continua essencial. A Suécia é firme em seu apoio ao Tribunal Penal Internacional.

A influência das mulheres - nos processos de paz, transições políticas e recuperação de crises - é crucial. Este ano marca o 20º aniversário da resolução 1325 do Conselho de Segurança; deve ser um ano de ação concreta.

A Suécia continua sendo um parceiro ativo das Nações Unidas por meio de:

- suporte financeiro principal,
- diplomacia,
- mediação
- e como contribuinte de militares e policiais para operações de paz da ONU, incluindo a MINUSMA. Estamos acompanhando os acontecimentos no Mali com grande preocupação. Uma transição pacífica e rápida para a liderança civil, com eleições democráticas, é vital.

A anexação ilegal da Crimeia e Sebastopol pela Rússia e a agressão no leste da Ucrânia constituem violações graves do direito internacional, desafiam a segurança global e causam sofrimento humano. A União Europeia é clara quanto à necessidade de implementação dos acordos de Minsk. A Suécia e a União Europeia condenam nos termos mais veementes o envenenamento do líder da oposição russa Alexei Navalny. O governo russo deve investigar a tentativa de assassinato de forma completa e transparente. Os responsáveis ​​devem ser levados à justiça.

Apoiamos, como único meio viável de resolver o conflito entre Israel e Palestina, uma solução negociada com dois Estados vivendo em paz e segurança. Deve basear-se em parâmetros acordados internacionalmente e no fim da ocupação. A posição da UE é clara: a anexação de territórios ocupados é ilegal.

Na Síria, a paz sustentável só pode ser alcançada por meio de uma solução política em linha com a resolução 2254. A Suécia recentemente prometeu 96 milhões de dólares para a resposta à crise na Conferência de Bruxelas 4.

Embora existam muitos desafios em todo o mundo, também há esperança. O Sudão agora tem uma oportunidade única em uma geração. Mulheres e jovens saíram às ruas em 2019, exigindo mudanças políticas, e seguiram-se decisões políticas corajosas. O Sudão merece nosso apoio em seu difícil caminho para a democracia.

Excelências,

No próximo ano, a Suécia assumirá o cargo de Presidente da “Organização para a Segurança e Cooperação na Europa”. Nossa principal prioridade será trabalhar para a resolução de conflitos que se baseie no conceito abrangente de segurança da OSCE, com democracia e direitos humanos no centro. A ordem de segurança europeia deve ser mantida, não renegociada.

A Suécia está alarmada com a situação na Bielorrússia após as eleições de 09/08, que não foram livres nem justas. O aumento da repressão contra manifestantes pacíficos, jornalistas e líderes da oposição é inaceitável. Estamos solidários com o povo bielorrusso no desejo de exercer os seus direitos democráticos fundamentais. Continuamos a apelar à liderança bielorrussa para que ponha termo à repressão e engaje em um diálogo genuíno com a oposição. Estamos prontos para facilitar esse diálogo.

Excelências,

Este ano também marca o 75º aniversário dos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki. Ele serve como um lembrete trágico das consequências humanitárias catastróficas do uso de armas nucleares. A ameaça nuclear está mais presente do que nunca. Tratados foram abandonados ou estão em risco e novas capacidades nucleares estão sendo desenvolvidas. Pedimos aos Estados Unidos e à Rússia que concordem com uma extensão do “Novo Tratado START” e que a China participe das discussões sobre acordos subsequentes.

Como parte de nossa diplomacia multilateral de desarmamento, a Suécia - junto com 15 países sem armas nucleares - continua a buscar a Iniciativa de Estocolmo sobre Desarmamento Nuclear, que visa contribuir para o sucesso da Conferência de Revisão das Partes do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleaes.

Juntamente com a UE, apoiamos fortemente a plena implementação do “Plano de Ação Conjunto Global”.

Apelamos à República Popular Democrática da Coreia para que cumpra as suas obrigações internacionais e tome medidas para a desnuclearização.

Continuamos comprometidos com uma solução pacífica para a situação na Península Coreana.

Excelências,

As gerações futuras crescerão em um mundo diferente. Agora temos a oportunidade de definir sua direção.

Juntamente com outros países, a Suécia mobilizará apoio para o Secretário-Geral no avanço de nossa agenda comum estabelecida na Declaração do 75º Aniversário.

- Juntos, podemos construir sociedades melhores.
- Juntos, podemos construir sociedades mais fortes.
- E, juntos, podemos enfrentar os desafios que temos pela frente.

Obrigado.

Publicado originalmente aqui

Última atualização 27 set 2020, 18.23