Menu

Diálogos Nórdicos: Gênero e Inclusão nas Empresas

08 nov 2018

O seminário “Gênero e Inclusão nas Empresas” convida à reflexão e à conscientização da importância de se promover a igualdade de gênero no mundo dos negócios. Idealizado pelo projeto Diálogos Nórdicos -- em parceria com a ONU Mulheres, UN Global Compact, câmaras de comércio nórdicas no Brasil e Insper --, o evento será realizado em São Paulo, em 12 de novembro, das 8h30 às 13h. O embaixador da Dinamarca, Nicolai Prytz (foto), fará a abertura do evento.

Para este seminário, foram convidados grandes players de negócios da Finlândia/Nokia, Noruega/a confirmar nome, Dinamarca/Maersk Line e Suécia/Business Sweden que atuam no Brasil. Seus representantes trarão para o debate pontos de vista, experiências profissionais e de gerenciamento sobre a inclusão feminina nas áreas da Educação, Práticas de Seleção, Carreiras e Empreendedorismo. Professores do Insper compartilharão as mesas de debates -- a programação completa consta no fim da matéria.
 
O evento também apresentará a WEP Gender Gap Analysis Tool (Ferramenta de Análise de Diferenças de Gênero e Princípios de Empoderamento das Mulheres) voltada para que as empresas identifiquem pontos fortes, lacunas e oportunidades que melhorem o desempenho em igualdade de gênero no trabalho, mercado e comunidade -- com isto, ajudando-as a implementar mudanças internas condizentes com as demandas atuais que dizem respeito ao tratamento igualitário entre homens e mulheres no trabalho e também na sociedade como um todo. O acesso à ferramenta é gratuito, e os dados permanecem confidenciais.
 
A ferramenta WEP Gender Gap Analysis Tool foi desenvolvida pelo Pacto Global da ONU em colaboração com a ONU Mulheres, o BID Invest e vários outros parceiros e apoiadores. A ferramenta, disponível em inglês e espanhol, foi usada por mais de 800 empresas em 91 países e terá a versão em português.

A escolha pelo setor privado para este seminário do Diálogos Nórdicos se explica: mais de 90% dos empregos no mundo se concentram nele, segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho). Diante desse dado, parece claro que o debate sobre igualdade de gênero deva partir desse segmento. 

“As sociedades dos países nórdicos são organizadas de uma maneira semelhante e possuem vários valores em comum. Acreditamos que é muito importante promover e implementar a ideia de que meninos e meninas têm as mesmas possibilidades na vida, tanto na vida familiar como na carreira profissional”, explica o embaixador da Dinamarca, Nicolai Prytz, que participará da abertura do evento.
 
“O seminário sobre gênero e inclusão nas empresas trará alguns exemplos bem-sucedidos de liderança feminina e de seu impacto nos resultados econômicos. Esperamos que, muito mais do que apenas promover uma discussão sobre igualdade de gênero, possamos inspirar e mudar conceitos. Os países nórdicos continuarão trabalhando para que diversas empresas e instituições empreguem cada vez mais mulheres em posições de liderança”, conclui. 

INSCRIÇÕES: clique aqui
 
CENÁRIO BRASIL

O debate sobre a igualdade de gênero no setor privado, e em várias outras esferas da sociedade, é uma tendência que ganha voz cada vez mais. A globalização e o aumento do número de mulheres no mercado de  trabalho também contribuíram para que, nos últimos anos, mais empresas voltassem sua atenção para essa questão, não apenas pela repercussão social e trabalhista, mas também por interferir nas estratégias de negócio das empresas a partir da promoção da igualdade de gênero.
 
Dados do Fórum Econômico Mundial sobre competitividade global indicam que a igualdade de gênero é um dos fatores -- ao lado da etnia, orientação sexual ou religião -- que beneficia o crescimento econômico de sociedades inclusivas e diversificadas.

Um estudo do Banco Mundial -- Mulheres, Empresa e o Direito 2018 --  afirma ainda que se houvesse igualdade salarial entre homens e mulheres, o PIB (Produto Interno Bruto) mundial seria 26% maior. Já no PIB do Brasil, haveria um aumento de 3,3%, ou seja, o equivalente a R$ 382 bilhões.
 
Esse é um aspecto importante, visto que há mais mulheres que homens no país. Segundo estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), as mulheres correspondem a 51,5% da população, contra 48,5% dos homens. Ou seja, dos 207 milhões de brasileiros, aproximadamente 106 milhões são mulheres, e elas respondem por 44% da força de trabalho -- dados de 2016.
 
O levantamento do Banco Mundial indica também que o Brasil possui vários aspectos favoráveis às mulheres, que não se veem em sociedades mais rígidas, porém faltam medidas que assegurem a igualdade de gênero -- como a licença parental e a remuneração igualitária entre homens e mulheres.
 
PROGRAMAÇÃO
8h30
Welcome coffee
 
9h
Abertura
Carolina da Costa
Vice-presidente do Insper   desde janeiro de 2017 e reitora do programa de graduação.
 
9h10
Projeto Diálogos Nórdicos e igualdade nos países nórdicos
Nicolai Prytz
Embaixador da Dinamarca desde setembro de 2018. Antes, foi cônsul-geral em Xangai e São Paulo e integrou o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, na Guatemala, além de ter exercido outros cargos diplomáticos no exterior.
 
9h30  ONU Mulheres
Adriana Carvalho
Gerente de WEP (Empoderamento das Mulheres). Promove práticas de igualdade de gênero no mundo do trabalho.
 
9h50  Schneider Electrics
Miquel Serra Alquezar
Vice-presidente de RH da Schneider Electrics no Brasil. Formado em Business Administration e especializado em RH, incentiva a diversificação na empresa para impactar o potencial de inovação. 
 
10h15 -- PALESTRAS
Tema:  A educação como meio de promoção da diversidade e igualdade de gênero |
Fernanda Tricerri e Paulina Achurra
Fernanda Tricerri é diretora de RH da Nokia/Finlândia. Responsável pela orientação e estratégias da empresa que valorizem as pessoas. 
Paulina Achurra é professora no Insper, onde participa do desenvolvimento e implementação do curso de graduação em Engenharia, além de trabalhar temas de Inovação Social.
 
Tema:  As melhores práticas de seleção visando garantir diversidade e igualdade de gênero
Nome a confirmar
Edvalter Becker Holz
A confirmar empresa.
Edvalter Becker Holz é professor do Insper e desenvolve pesquisas sobre organizações e pessoas e sobre impacto social do conhecimento administrativo.
 
Tema: Como garantir igualdade e promover a diversidade em todas as fases da carreira, do início ao fim?
Maria Carolina Antunes e Fernando Ribeiro
Maria Carolina Antunes é Senior HR Business Partner da Maersk Line/Dinamarca. Atua com gestão de pessoas e processos e Cultura Organizacional e Gestão de Mudança.
Fernando Ribeiro é professor de economia, administração e engenharias do Insper. Atua como pesquisador nas áreas de gênero e economia..
 
Tema: Quais os desafios enfrentados pelas mulheres quando decidem ser empreendedoras? Como combinar negócios e família?
Elsa Stefenson e Juliana Miranda Mitkiewicz
Elsa Stefenson é gerente de Projetos Sênior da Business Sweden/Suécia. Atua como consultora de gestão em suporte a empresas suecas
Juliana Miranda Mitkiewicz é consultora de Inovação da Votorantim.
 
12h
Resultados dos workshops
 
13h
Encerramento